Coloque aqui seu email para receber as novidades do blog

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O IMPORTANTE É TER HISTÓRIAS PARA CONTAR, PARTE 6

Ou, o dia em que vendi queijo coalho na praça.

Pois é amigos invisíveis! Depois de um tempo sem ter tempo nem para pensar direito, estou me reservando uns momentos de descontração e é nessas horas que me assaltam à mente lembranças do tempo mais repleto de coisas vazias e sem sentido que fiz em minha vida e que agora, depois de tudo, se tornaram pelo menos engraçadas e que quero compartilhar com vocês, assídua desassitência desse blog.

Nos meus dezesseis anos tudo era motivo para estar junto de algumas meninas e farrear, logo, o que vou contar agora não haveria de ser diferente.

Pois que estava ficando com uma menina na cidade de Lauro de Freitas, município "colado" a Salvador, onde passávamos os finais de semana e apesar da minha "rebeldia" nessa época, somente viajava com papai e mamãe, principalmente para Lauro onde tinhámos a casa de praia (que aliás, ficava longe da praia), Então tinha que arrumar motivo para ir até lá nos finais de semana em que a família não poderia estar lá.

Essa menina era parente da família que cuidava lá de casa, e havia recomendações expressas para não me deixar chegar escondido ou "sozinho" para dormir lá, mas, com 16 sempre se dá jeito para tudo.

Então bolei um "plano infalível": ia chegar lá, como quem não queria nada e me ofereceria para ajudar o pessoal, que nas festas vendia queijo coalho e maça do amor, ficaria tarde para voltar e não teria como voltar de ônibus, aí...tchãrãããããããããñ ficaria lá, "sozinho" com ela.

Isto posto, coloquei o plano em execução, só não imaginava que ajudar ia dar tanto trabalho....

A minha tarefa escolhida foi de levar todo o queijo coalho num carro de mão até a praça, onde ia ter a festa, que ficava a mais ou menos uns 20 minutos andando lá de casa.

Pausa: Nessa época eu era uma pessoa bem forte com meus 49 quilos bemdistribuídos em 1,62 metro de altura.

Todo o queijo estava acondicionado até a tampa numa caixa de isopor, daquelas bem grandes, devia ter mais ou menos umas seis toneladas para transportar pelo caminho, que a essa altura devia ter uns 900 quilômetros. Não precisa nem dizer que estava começando a me arrepender de minha idéia brilhante.

Pausa 2: Somente para citar, minha casa ficava numa rua com um leve e quase imperceptível declive e que acabava, antes da esquina numa lombada (ou quebra-molas).

Como estava falando, a caixa tinha umas seis toneladas de peso, e eu, observador, não percebi que a inclinação da rua daria uma força na descida eu forte como um touro, não consegui segurar o carrinho, que parece ter ganho vida própria naquele momento, começando a desenvolver mais e mais velocidade. O meu desespero aumentava naquela lua solitária com o veículo independente e senhor de si até que.......


Cheguei ao quebra-molas (ou lombada), que serviu como um freio brusco para parar a viatura autônoma e como a física é implacável, naquele momento comprovei de verdade que a inércia funciona de verdade e a caixa voou longe e o queijo se esparramou todo no chão!

Rapaz, foi queijo pra tudo o que é lado. A minha vergonha e raiva pela besteira e pelos meninos que estavam na rua e ficaram rindo da minha cara de abestalhado naquela cena lamentável.


Como o grande lance da vida é sair com estilo das situações embaraçosas, não me fiz de rogado e saí catando um a um os espetinhos de queijo naquele fim de tarde de verão, não sem antes de dar uma bela "limpada" no material, tirando pelo menos as partículas mais visíveis, na tentativa de minimizar o prejuízo. Finalizada a tarefa segui o resto do caminho com elegância inabalável e a convicção de não contar para ninguém o ocorrido.


Já que o que os olhos não veem o coração no sente, o faturamento foi um sucesso e não voltou nada para casa! E ainda consegui o meu objetivo, ainda que tivesse de pular o muro para ter tranquilidade.


O pagamento do serviço foi feito com algumas cervejas e um suculento pedaço de queijo assado, devidamente esterilizado pelo calor da brasa que eliminou qualquer vestígio de agentes patogênicos que pudesse causar problemas maiores ao corajoso degustador que vos escreve.
Postar um comentário